14 setembro 2009

rescaldo 1#

(depois de mais um dia isto faz-me muito mais sentido se for com cores...)

descobri que, apesar dos medos, trabalhar aqui é simplesmente um luxo. muito há para fazer mas nada que se compare à satisfação de poder respirar a vida num dos bairros mais típicos de Lisboa. muita é a responsabilidade de estar por minha conta. trabalhar num trapézio sem rede. ter de ser eu a minha maior crítica. aprender a gerir os poucos recursos. inventar estratégias para colmatar as falhas. foi apenas a primeira semana mas sei que muito há para fazer aqui. muito me pode ensinar esta gente que me acolheu com um bem-vinda à Graça! e tão bem que sabe andar na rua e sentir-me em casa. e tão bom que é criar rituais. e desfrutar desta vista todos os dias
...

7 comentários:

Ciclideo disse...

Começo pelo fim: essa vista é... é... linda, maravilhosa, do catano, preciosa, etc =) Logo aí, já estás a ganhar! Depois, dos vários bairros encantadores que Lisboa ainda vai tendo, a Graça é dos meus favoritos. O resto, o trapézio sem rede e a responsabilidade, enfim, esse projecto que tens entre mãos, está certamente no bom caminho. Além do mais tens o meu apoio moral!!

Beijocas!!

c. disse...

começando pelo principio: também eu me rendi (agora definitivamente por completo) ao encanto dos bairros mais típicos de Lisboa...mas mesmo assim acho que não seria capaz de trocar o nosso cantinho à beira-mar plantado por uma vida a tempo inteiro na cidade...nada chega à sensação de poder cheirar o mar todos os dias :) quanto ao resto...só posso agradecer (muito) o voto de confiança e o apoio moral (?)

Até já...
beijocas :)

Ciclideo disse...

Estou (mais uma vez) de acordo contigo. Eu vivi 26 anos em Lisboa (em Arroios) e vivo há 2 anos aqui, neste cantinho com cheio a mar, como dizes. Talvez devido ao afastamento, agora respiro Lisboa de uma maneira mais positiva. Não trocava a qualidade de vida que tenho aqui e a proximidade com o mar que me é tão querido, tão vital, por Lisboa.

O apoio moral é algo que eu gosto muito de dar. Imagina, no fundo, que eu estou aqui a dizer qualquer coisa como: Váaaaaa, força! Estou contigo! Tu consegues.
Quem é a maior?? Quem é? É a C.!!

(Neste momento tenho uma vozinha na minha cabeça a dizer o que acabei de escrever, o que é de facto assustador, haha.)

E com isto retiro-me que o meu mal é sono! Ou esquizofrenia. Uma delas.

c. disse...

curioso! isso deve ser contagioso, não? é que estranhamente eu também consegui imaginar uma voz esganiçada a sussurrar-me essas mensagens ao ouvido. e o mais estranho é que essa voz traz vestido uma mini-saia. e tem uns pompos nas mãos. e faz coreografias tipo líder de claque de futebol. e...bem, deve ser só a minha consciência que está meio apavorada com uma história que envolvia gomas a perseguir crianças grelhadas. ou assadas. não sei bem :| lol


(...e eu a pensar que o moço era filho da terra pá! ninguém diria pela forma apaixonada como captas as belas imagens que temos por cá...)

Ciclideo disse...

Hahahaha!!

Wow, eu não tinha confessado a minha vestimenta mas tu acertaste em cheio!! Até fiquei com pele de galinha. LOL.

Eu sou um filho adoptivo (com imenso orgulho) desta terra!! Gosto muito de andar por aqui a fotografar quer com a minha mente quer com a minha máquina, hehe. E quando passo pelas Avencas nas minhas caminhadas, lembro-me de ti, palavra! ;)

Daniela Coutinho disse...

Se calhar eu vou trabalhar em Alfama, fica um bocadinho mais para baixo :P

beijinho com saudades *

c. disse...

Ciclideo:

pois, não me espanta até porque eu vi logo que este conjunto ficava a matar com o teu top :P

Eu também fui adoptada mas já lá vão 17 anos desde que me agarrei à Parede (isto soa sempre estranho LOL)

...e palavra que também te trago comigo quando me perco por ali :)





Daniela:
mas isso é que são boas noticias! Assim depois já podemos ir as duas à conquista de sítios catitas para nos perdermos :)
até já **