04 março 2007

Budapeste

Budapeste, Hungria - Fevereiro de 2007

Respira fundo mais uma vez...

As férias prometiam...íamos finalmente passar uns belos dias juntos num país fantástico e ficaríamos numa pensão mesmo no centro da cidade (para nos recompensarmos da tortura que passamos durante as férias do verão em que fomos ficando cada vez mais longe das zonas centrais das cidades por que fomos passando). Tudo parecia perfeito...a previsão do tempo era animadora e os banhos termais esperavam por nós!

É difícil saber por onde começar...mais vale dizer apenas que nunca mais me apanham lá! Nunca nas nossas vidas fomos tão mal tratados num sítio (sim, já fomos a Madrid…), a hostilidade contra os turistas reina em toda a parte e podemos dizer que as únicas pessoas simpáticas que conhecemos foram as poucas que se dignaram a responder às nossas perguntas (isso aconteceu duas ou três vezes). Uma das vezes (poucos minutos depois de termos chegado) arrisquei pedir ajuda a um policia para saber como comprar os bilhetes de transportes e acabei rodada por cinco policias todos armadilhados que falavam entre si em húngaro e se riam de forma descarada na minha cara…não sei bem como mas consegui fugir escapando por entre as suas pernas!

Acabamos a dormir num antro que em nada correspondia às condições ou às fotografias anunciadas e onde fomos tratados como cães com sarna…um autentico cenário de filme de terror! Pequeno-almoço incluído nem vê-lo!

Passamos o tempo a tentar comprar bilhetes de metro mas nas estações não há bilheteiras, apenas máquinas com instruções em Húngaro…assim sendo resolvemos dar corda aos sapatos e percorrer a cidade a pé! No último dia, já exaustos, resolvemos usar uns bilhetes que a muito custo conseguimos comprar numa loja (depois de horas de comunicação por linguagem gestual…pois, ninguém fala Inglês) e, adivinhem: fomos multados! Mas atenção, nada de pânico…afinal de contas foi uma “multa especial para turistas”…sim este é o tipo de coisas que se pode encontrar em Budapeste! Aliás, isto e fiscais de metro dispostos a negociar a tal “multa especial para turistas”…ou seja, se nós quiséssemos podíamos comprar um bilhete de 3 dias, em vez de pagar a multa. Esse era precisamente o bilhete que andávamos a tentar comprar desde que chegámos…mas que nunca conseguimos encontrar em lado nenhum!!! E porquê??? Porque quem os vende são os fiscais na altura de passar as multas! Mas afinal qual era o problema do nosso bilhete? Não sabemos…até porque, segundo os fiscais, eles não estão ali para ensinar as regras aos turistas!!! Que amorosos…

O pessoal dos postos de turismo também era fantástico e pareceu-nos estupefacto com a quantidade de coisas que sabíamos sobre a Hungria…aliás coisas sobre as quais eles nunca tinham ouvido falar…é sempre bom partilhar o nosso conhecimento e ver que há uma carrada de pessoas disposta a ouvir-nos!

A comida é deliciosa…pelo menos para quem não tenha nem uma gota de amor próprio e queira morrer brevemente com uma hemorragia gástrica! A paprica está por todo o lado!

Para terminar em beleza os nossos dias de calvário, no dia do regresso acordei adoentada…saímos da espelunca que foi o nosso lar durante estes dias e…guess what?!? Três gajos fizeram de tudo para nos assaltarem e roubarem a nossa mala de viagem! Hum…país encantador este, não?

Gostaria de dizer que nem tudo foi mau...mas à medida que o tempo vai passando (e vou também recuperando da maldita constipação que trouxe em cima!) a boas memórias vão desaparecendo e só fica mesmo a sensação de amargo e de tempo e dinheiro mal gasto! A cidade até tem algumas coisas bonitas...mas nada de absolutamente único ou que não se possa perfeitamente dispensar! Nos banhos termais desfrutámos de algumas horas de conforto, embora tenhamos saído de lá com a sensação de termos contraído algumas doenças de pele…YUPI!

Por favor, tão cedo não quero mais férias…

1 comentário:

Yuri Orlov disse...

Have a nice time... goodbyyyyyyee!